quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A Chave de Sarah

O filme "A Chave de Sarah" merece ser visto. Apesar de romantizado e bastante piegas, o filme mostra o trágico momento que a França viveu quando, em 16 e 17 de julho de 1942, 4.000 crianças parisienses foram presas, separadas de seus pais, enfiadas em vagões de carga de trens e encaminhadas para a morte por gás em campos de extermínio alemãs. Quem fez isso? Os nazistas ? Não! Os franceses. E por quê? Porque eram crianças judias.

A super concorrida exposição recém encerrada no Hotel de Ville, em Paris, "C'étaient des enfants", mostrou de forma emocionante o que ocorreu com aquela crianças.

A participação dos franceses na morte dos judeus da França ocupada durante o período de 1940 a 1944, é um fato histórico que não pode ser esquecido. O longo documentário "A Tristeza e a Piedade", de Marcel Ophuls, 1969, é fundamental para saber sobre aquele período negro da história da França. Outro filme importante sobre o tema é "Amor e Ódio".

Todos os filmes citados são encontrados nas vídeo locadoras.

Encarte do filme "A chave de Sarah"

Encarte do filme "Amor e ódio"

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Por que temos filhos?

A Folha SP publicou hoje (04/12/2012) um artigo da psicóloga Rosely Sayão com o título "Quem vai ficar  com as crianças?". É um texto exemplar que deveria ser lido por todos.

Reproduzo aqui alguns trechos do artigo:

"Passar mais tempo com os filhos durante as férias escolares transformou-se em um problema para os pais."

"A partir de quando ficar com os filhos em casa transformou-se em um problema? Desde o momento em que ter filhos passou a ser uma ideia diferente da de acompanhar a vida de uma criança, cuidar dela, dedicar-se a ela, ficar disponível para o que acontecer; desde que passamos a querer viver com filhos do mesmo modo que vivíamos antes de tê-los. A partir do momento em que nossa vida desobrigada deles parece ser muito mais sedutora".

"Por que temos filhos?"

Não dá para ficar calado.

Israel. Estado colonizador no século XXI


O governo de Israel autorizou a construção de 3.000 novas casas em território palestino.

Os novos assentamentos são uma resposta e um desafio à ONU, que reconheceu a Palestina como Estado Observador. A Cisjordânia palestina ficará dividida em dois pelo poder de Israel.

A foto publicada em 01/12/2012 em O Globo é histórica: um rapaz palestino passa diante de soldados israelitas armadas até os dentes com um cartaz onde se lê: "Atenção. Esta é uma terra ilegalmente ocupada. Estado da Palestina, 29.11.2012."

Apesar da pressão internacional Israel não cederá. Continuará um país colonizador que despreza a legalidade.

Não dá para ficar calado.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Mutilação de mulheres

Relatório da ONU divulga que na Somália a prevalência de mutilações entre mulheres de 15 a 49 anos chega a 75%. A mutilação da genitália feminina é feita geralmente na infância ou adolescência.

É incrível que, por questões culturais arraigadas, essa barbaridade continue.

Não dá para ficar calado.

Uma questão de justiça

A Assembléia Geral da ONU aprovou a promoção da Autoridade Nacional Palestina (ANA) ao status de de Estado observador.

Os palestinos tiveram o apoio de 138 países. Nove países votaram contra comandados por Israel e seu patrocinador, os EUA. Após os últimos ataques que mataram 150 palestinos e 5 israelenses, a Palestina está em festas com o reconhecimento da ONU.

Não dá para ficar calado.

Rose, a amiga de Lula

A toda poderosa Rose Noronha, acusada de comandar esquema de corrupção, declarou à Folha SP: "Nunca fiz nada ilegal, imoral ou irregular".

Parece que com isso Lula e o PT se tranquilizam.

Em maio ela comentou sobre seu chefe Lula: "Ele tá parecendo um velho caquético".

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Isso não é acidente

Uma criança de 3 anos morreu afogada em SP, em piscina do seu colégio, uma instituição de alto nível que cobra dos pais que a ela confiam seus filhos R$ 2.800,00 por mês.

Acidente é uma situação imprevisível. Não é o caso.

Não dá para ficar calado.

Palestina tem que ser um Estado na ONU

Na Assembléia Geral da ONU, na quinta-feira, será votado o reconhecimento da Palestina como Estado Observador.

Sabe-se que Israel e seu principal aliado, os EUA, vetarão a proposta. A razão e o bom senso têm que prevalecer.

Não dá para ficar calado.

Os bebês de Rosemary

Que vergonha! Depois de 10 anos do PT no poder e 2 anos de Dilma no governo, a Polícia Federal descobre mais uma quadrilha de corrupção. A secretária de Lula e chefe do gabinete da Presidência em São Paulo comandavam o grupo. Os irmãos Rubens e Paulo Vieira, diretores da ANAC e da ANA, eram chamados de "os bebês de Rosemary". Lula se diz traído e apunhalado.

Não dá para ficar calado.

Crianças na guerra

É sempre revoltante e inaceitável crianças morrerem vítimas das guerras dos adultos. A guerra civil na Síria já contabiliza 40 000 mortos. Agora foguetes do ditador Assad mataram 10 crianças que brincavam em área de lazer em subúrbio de Damasco. E no jogo político do poder, a Russia apoia Assad e a França os rebeldes. E o Hamas ? E Israel ? E os EUA? E as crianças são apenas vítimas inocentes que só querem crescer.

domingo, 25 de novembro de 2012

Brasil, curral do PT

Outros acusados de corrupção foram presos e indiciados. Um deles é a chefe de gabinete da Presidência em São Paulo. E o PT se junta em defesa dos acusados e condenados do Mensalão. É incrível imaginar que ainda existem pessoas que apoiam o PT.

Mortes em Gaza

No atual conflito entre Israel e os palestinos de Gaza morreram 150 palestinos e 5 israelenses. David versus Golias. Para pensar.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Suicídio na adolescência

Noticia-se que a polícia do Rio encaminhou ao Ministério Público, como suicídio, o caso do menino de 12 anos que em setembro morreu ao cair do quinto andar do prédio do Colégio São Bento onde estudava.

O suicídio na adolescência não é incomum. Ocupa o segundo lugar em causas de mortes de adolescentes, atrás dos acidentes, na maioria dos países.Em alguns países é superado pelos assassinatos.

É necessário conhecer essa realidade para prevenir o suicídio na adolescência.

Não dá para ficar calado.

Madeleine. Desaparecida desde 2007


O Observatório da Infância dedicou-se bastante à divulgação do desaparecimento misterioso da menina inglesa Madeleine, que aos 4 anos de idade desapareceu do hotel em Portugal onde passava férias com seus pais.

A simulação de sua foto modificada por computador, vem mostrando como ela seria hoje se estiver viva.

Agora, a polícia britânica pediu às autoridades portuguesas a reabertura do processo. Acha que são necessárias novas investigações porque Madeleine poderia estar viva.

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Bebês esquecidos e mortos em carros. Campanhas e compaixão.

Sobre bebês esquecidos em carros pelos pais, recebemos dois e-mails importantes.

Um deles, vindo do Japão, relata que por lá também têm havido casos de mortes de bebês esquecidos pelos pais em seus carros. A repetição da tragédia levou a uma campanha "Anti-esquecimento". Colocaram avisos em vários estacionamentos públicos e em shoppings e supermercados: "Você não esqueceu seu filho no interior do veículo?"

Outro e-mail, vindo de Portugal, relata que por lá também ocorrem tais casos. E pede compaixão pelos pais.

O Observatório da Infância já tem se dedicado ao tema e está de acordo com as opiniões vindas do Japão e de Portugal.

Não dá para ficar calado.

PT, Maluf, Mensalão, Cachoeira, Crianças assassinadas.

A impunidade e a falta de vergonha de um Maluf (e suas fotos com Lula e Hadad), um ministro da Justiça que alardeia que prefere morrer a ser preso nas cadeias pelas quais é responsável, as tentativas do PT de desqualificar o julgamento e a condenação de seus "Dirceus", o quase silêncio sobre Cachoeira, Delta e os governadores envolvidos nas roubalheiras pela quais pagaremos nós ou as fotos publicadas diariamente de crianças palestinas assassinadas pelos bombardeios de Israel em Gaza. É o que temos no noticiário.

Não podemos estranhar a opção da maioria por novelas, séries americanas e as futilidades da maioria dos programas de TV. A melhor opção é assistir o Bond, James Bond. Mas e depois? É possível viver alienado?

Não dá para ficar calado.

Não somos tua colônia!


Angela Merkel é comparada com Hitler em boneco feito por manifestantes em Lisboa, em Portugal
Foto: Antonio Cotrim/Efe 

Talvez poucos tenham visto a foto publicada pela Folha SP no dia 13/11. Durante a grande manifestação pública em Lisboa contra a presença da chanceler alemã Angela Merkel, os portugueses portavam cartazes com a sua foto com um bigode típico de Hitler. Um cartaz dizia "Sind wir nicht deine kolonie".

Contra a recessão e o desemprego, os portugueses ressuscitaram e evocaram o nazismo. É um absurdo mas é também um alerta para o mundo. Recentemente ouvi de um francês em Paris: "Eles vieram em 1915, voltaram  em 1935 e já estão voltando de novo".

Não dá para ficar calado.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Um tempo para amar

Trata-se de um excelente filme iraniano, de 2008, que nos traz a história de um casal com dois filhos, sendo que um apresenta graves deficiências. Distribuído por Paulinas Multimidia. É um filme imperdível.

Não dá para ficar calado.

"Prefiro morrer"

Os jornais de hoje publicaram com destaque e grande estardalhaço a declaração do ministro da Justiça do Brasil sobre a sua opção por morrer a ser preso nas cadeias brasileiras. A declaração é ridícula, sob qualquer ângulo que seja examinada, mas merece uma análise maior, uma vez que feita pela autoridade responsável pelas cadeias no país. Afinal, preferir morrer a ser preso, pode ser um pensamento comum a qualquer ser humano. Mas um ministro não é um cidadão comum. Mas esse foi. Fútil e irresponsável com o seu exemplo e o seu reconhecimento de incompetência.

Se estivesse à altura do cargo que ocupa, após tais declarações de reconhecimento da sua inoperância, deveria pedir demissão.

Se estivesse à altura de um ser humano sério deveria dizer como se mataria se fosse condenado, assim como fazem autoridades condenadas em outros países.

Como homem de partido deveria começar a trabalhar, sem descanso, para melhorar as condições das cadeias que receberão seus companheiros condenados pelo STF.

Como nada disso deve acontecer o melhor a ser feito é que a imprensa o sepulte e às suas declarações, no mínimo, inconsequentes.

Não dá para ficar calado.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Será que podemos imaginar o sofrimento dessas crianças?

A ONG britânica Save the Children divulgou o relatório "Atrocidades não contadas: as histórias das crianças sírias", mostrando o sofrimento das crianças sírias vítimas da guerra no país. As crianças, além do inimaginável trauma psicológico, sofrem tortura física, choques elétricos, unhas arrancadas...

No relatório que está sendo divulgado pela imprensa de todo o mundo, a ONG pede uma presença mais marcante da ONU para constatar o que está ocorrendo.

Torturar crianças é crime de guerra e os torturadores devem ser identificados e julgados, independente do resultado da guerra civil que já matou quase 30000 pessoas.

O relatório está accessível no site da Save the Children, UK. Para ter acesso ao relatório original, acesse http://www.savethechildren.org.uk/sites/default/files/images/untold_atrocities.pdf.

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Internação Psiquiátrica

No Rio as maiores clínicas para internação de doentes psiquiátricos foram fechadas. Ao mau atendimento pelas clínicas somava-se o abandono quase total dos pacientes pelos seus familiares.

É evidente que o ideal seria que a família assumisse o tratamento ambulatorial do paciente psiquiátrico. A pergunta é: isso é possível? Para nos propormos a responder coloquemo-nos no lugar destas famílias.

Vejam o filme "O desaparecimento do gato", filme argentino de 2011. No caso, trata-se de um psicótico da classe média. Imaginemos o que ocorreria se fosse um doente em uma família sem recursos.

A omissão dos governos é evidente, mas pouco se fala sobre o assunto.

Não dá para ficar calado.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Direito da Criança: não ser mutilado

Lemos que milhares de judeus e muçulmanos foram à ruas de Berlim protestar contra a decisão judicial que proíbe a circuncisão de meninos, considerada uma mutilação genital. Os manifestantes alegaram que a lei viola "o direito da liberdade de crença". Outros países europeus tendem a proibir a circuncisão.

São boas as notícias. Por questões culturais e religiosas anacrônicas a mutilação genital de meninos judeus e muçulmanos ainda persiste, esquecendo do direito da criança.

Não dá para ficar calado.

"Os intocáveis". Não deboche.

Aproveitando o sucesso atual do filme "Les  intouchables" (Os intocáveis) em Paris (e também no Brasil) , o semanário satírico francês "Charlie Hebdo", publicou uma charge mostrando um judeu ortodoxo empurrando um muçulmano em uma cadeira de rodas, com o título "intouchables 2" e a frase "Faut pas se moquer" (não deboche).

Qualquer um pode se lembrar dos cartazes de divulgação do filme mostrando a mesma cena da cadeira de rodas. Não há quem não ache engraçada a ideia oportunista do semanário. Mas os alucinados muçulmanos estão em pé de guerra contra a França! C'est incroyable!


Não dá para ficar calado.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Circuncisão em recém-nascidos

A Folha SP destacou notícia sobre o incentivo à circuncisão feita por médicos americanos. No Brasil, o professor Antonio Macedo Jr, uro-pediatra, comentou a notícia alertando que só bebês com malformações devem sofrer a circuncisão. E avisa que "a principal razão dessa nova orientação da Academia Americana de Pediatria é de ordem econômica".

Eu acrescentaria que a circuncisão de bebês recém-nascidos é um ato de agressão que tem respaldo em uma prática cultural arcaica e ultrapassada.

Não dá para ficar calado.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Direito sobre a própria vida e morte

A resolução do Conselho Federal de Medicina sobre o " testamento vital" é apenas o começo de uma caminhada para a aceitação de que somos donos de nossas vidas e de nossas mortes. Eutanásia e suicídio assistido é o título do artigo publicado no Observatório da Infância sobre o tema em questão. Três filmes são indicados: "Mar Adentro", "Invasões Bárbaras" e "Menina de Ouro".

Não dá para ficar calado.

Ajude-me a morrer

Não quero morrer sofrendo.
Não quero sobreviver como um vegetal.
Não quero ser um moribundo-entulho para minha família.
Estas são, por enquanto, apenas algumas divagações sobre o "Testamento Vital", relativo à recente resolução do Conselho Federal de Medicina que trata do registro em cartório do desejo de um paciente não ter a sua vida prolongada pela equipe de saúde.

Não dá para ficar calado.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Filmes sobre o genocídio dos armênios pelos turcos

Ararat (Atom Egoyan)

Mayrig (Henri Verneuil)

588, Rue Paradis (Henri Verneuil)

La Masseria Delle Allodole (Irmãos Taviani)

Armênia (Robert Guédignian)

Recomendo com entusiasmo os filmes acima citados. O genocídio dos armênios pelos turcos, reconhecido por muitos países e organizações internacionais, não é assumido, até hoje pela Turquia.

São filmes facilmente encontrados nos sites especialzados em cinema como o www.artecinemafilme.blogspot.com e outros, com legendas em português. O filme "Armênia" é encontrado nas locadoras.

Não dá para ficar calado.

domingo, 2 de setembro de 2012

O Jardim Botânico é do PT?

Políticos do PT enfrentam Liszt Vieira na sua tentativa de preservar o nosso Jardim Botânico. Ministra e deputado do PT defendem e legalizam invasões no local. Pelo que se lê nos jornais querem lotear também o JB.

Não dá para ficar calado.

Más companhias

Não dá para votar em candidatos que apoiam ou são apoiados por Chiquinho, Brazão, Eduardo Cunha e Sergio Cabral entre outros. Parece que Paes vai para o segundo turno com Freixo.

Não dá para ficar calado.

"Creche para idosos"

A Folha SP divulgou a matéria com destaque. Pode até ser uma boa ideia mas o nome dado é ridículo.Mais que isso: é um deboche com os idosos.

Não dá para ficar calado.

Livro recebido sobre abuso sexual


O Observatório da Infância recebeu o livro "Chapeuzinho Cor-de-Rosa e a Astúcia do Lobo Mau", de autoria da Psicopedagoga Cláudia Bonete Siquinel, editado pela Litteris.

Resumido, prático, ensina a todos nós como uma criança pode se proteger de um abusador sexual.

Não dá para ficar calado.

sábado, 28 de julho de 2012

Genocídio dos armênios em Alepo

Alepo, a segunda maior cidade síria, está hoje em evidência por conta da guerra civil no país. Mas em 1916 Alepo foi palco de um crime contra a humanidade. Em seis meses, cerca de 1,2 milhão de armênios foram enviados pelo governo turco, de diversas aldeias para o deserto sírio, em uma caminhada para a morte. Quantos sobreviveram? Henri Morguenthau, então embaixador dos EUA em Constantinopla afirma em seu consagrado livro que de cada grupo de 18 mil pessoas, apenas 150 chegavam a Alepo.

A realidade está bem mostrada em livros e filmes. A Turquia irracionalmente nega o genocídio armênio. Documentos históricos e testemunhos mostram claramente a matança dos armênios ordenada pelo governo turco. O reconhecido filósofo francês Bernard Henri Levy, de origem judia, afirmou em discurso: "O negacionismo é inaceitável. Como nos sentiríamos hoje se o genocídio praticado contra nosso povo pelos nazistas não fosse reconhecido pela Alemanha?". É bem conhecida a frase de Hitler ao ordenar o assassinato dos judeus: "Quem se lembra hoje da matança dos armênios pelos turcos?".

Muitos países e instituições internacionais reconhecem hoje o genocídio dos armênios pelos turcos: Alemanha,Argentina, Armênia, Bélgica, Chile, Chipre, Canadá, Eslováquia, França, Grécia, Holanda, Itália, Líbano, Lituânia, Polônia, Rússia, Suiça, Suécia, Uruguai, Vaticano e a Venezuela.

O exemplo da França que hoje reconheceu através de seu presidente, François Hollande, a culpa da França por ter enviado milhares de judeus franceses para a morte em campos de concentração nazistas, deve servir de estímulo para outros países que ainda aceitam o negacionismo. Quando o Brasil fará parte da lista de países que reconhecem o genocídio armênio?

Não dá para ficar calado.

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Dois filmes e um livro que recomendo com entusiasmo

O livro "A história do embaixador Morgenthau" foi editado pela Paz e Terra e encontra-se com facilidade nas livrarias. Henri Morgenthau foi embaixador dos EUA na Turquia durante os anos de 1915 e 1916, época da Grande Guerra.


Os filmes que cito a seguir podem ser adquiridos com facilidade pelo site "artenocinema" com legendas em português. São eles: "La Masseria Delle Allodole" (A casa das cotovias), dos irmãos Paolo e Vittorio Taviani, e "Not Without My Daughter" (Não sem minha filha), com Sally Field.


Não dá para ficar calado.

A escolha de Sofia

O filme com esse título se tornou um clássico. Diante do algoz nazista a mãe judia teve que decidir qual dos dois filhos ela escolheria para não morrer. Agora, leio a notícia do lançamento na Turquia do livro "Derrière soi", da escritora Binnaz Oner.

Durante o genocídio dos armênios pelos turcos em 1915, muitas mães tiveram que decidir entre deixar seus filhos morrerem ou entregá-los para um lar turco.

A escritora afirma: "Abandonar seu próprio filho é pior que a morte para uma mãe". Lemos agora a notícia vinda do palco da guerra civil na Síria. Um militar do governo Assad mandou que uma mãe escolhesse entre dois filhos para ser assassinado: Omar, de 16 anos, ou Shadi, de 5 anos. Incapaz de escolher ela viu o soldado matar o mais velho na frente dela.

A barbárie é o elo de ligação entre o genocídio dos judeus pelos nazistas, o genocídio dos armênios pelos turcos e a atual matança na Síria.

Não dá para ficar calado.

Acobertar abuso sexual leva padre a cadeia

Pela primeira vez um padre católico nos EUA foi condenado por acobertar os casos de abuso sexual praticados por padres sob sua supervisão. A decisão inédita é importante.

A impunidade favorece o abuso sexual de crianças.

Não dá para ficar calado.

Atenção povo brasileiro. O julgamento do mensalão vem aí

A corrupção, a impunidade e a gigantesca defasagem entre os menores e os maiores salários são a marca registrada do Brasil. Essas são as mais marcantes situações que distinguem o nosso país de todos os outros.

A impotência do brasileiro diante dessa realidade está levando o povo a uma alienação total. Quase um torpor. E o pior é que esse é o estímulo para aqueles que já estão no poder ou que a ele querem chegar a qualquer custo. Esses estão atentos, ávidos, em vigília permanente.

Vamos acordar e gritar!

Não dá para ficar calado.

sábado, 21 de julho de 2012

O Massacre dos Armênios pelos Turcos. Barbaridade.

Aurora Mardigamian foi testemunha ocular, viva, sofrida, do genocídio dos armênios pelos turcos em 1915. Ela uma adolescente de 15 anos, assistiu a quase toda sua família ser torturada e morta. Anos após, já nos EUA, ela contou em livro a sua história. Em 1919 foi feito um filme em Holywood baseado no seu livro. À época teve uma enorme repercussão. Infelizmente, do original, restam apenas cerca de 20 minutos. É o suficiente. O filme é real, chocante, bárbaro. Não dá para ficar calado.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Estive seis dias na Armênia

Estive 6 dias na Armênia. E todos me perguntavam: "Por que Armênia ?"  "Onde fica?" "Fazer o quê?". Agora de volta vou escrever aos poucos sobre o assunto. O cerne da questão é o genocídio de 1,5 milhão de armênios pelos turcos em 1915 e até hoje não reconhecido pela Turquia. Fui conhecer de perto aquela nação tão forte em seu patrimônio humano, mas tão injustiçada ao longo dos anos.

O embaixador da Armênia no Brasil ofereceu-me o apoio necessário em Yerevan, capital da Armênia. E lá fui eu para a Ásia, para aquele pequeno país que faz fronteira com dois países inimigos, a enorme Turquia e o Azerbaijão, tendo ao norte a Georgia e ao sul o Irã. Apesar de próximo, não tem acesso ao Mar Negro nem ao Mar Cáspio. Contudo é um país que cresce, moderno, ocidentalizado e cristão. Foi a Armênia a primeira nação cristã do mundo, no ano 300 DC.

Em 6 dias assisti a três casamentos e um batismo, em monastérios de séculos atrás. As pessoas com as quais tive contato em Yerevan são muito receptivas e sorridentes. Fui acompanhado nas visitas importantes que fiz por Felix Sayadyan amigo pessoal do embaixador em Brasília, Ashot Yeghazarian.

Voltarei a escrever sobre o genocídio em breve.

Aqueles que se sentirem estimulados a conhecer mais sobre o assunto e aqueles que de alguma forma já o conhecem peço que entrem em contato comigo pelo e-mail lauro.monteiro@terra.com.br

Não dá para ficar calado.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Veja fotos recentes, para reflexão

Veja e reflita.Qual foi e ainda é a sua responsabilidade pelo quadro político atual?
Em quem você votou?

Não dá para ficar calado.

COLLOR, SARNEY, Lula, Dilma e FH: para a presidente, instalação da Comissão da Verdade é resultado do acúmulo de conquistas democráticas dos últimos governos
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR - Fonte: O Globo

O CHORO: “Se existem filhos sem pais, nunca pode existir uma História sem voz”
Foto: Pedro Ladeira/AFP - Fonte: O Globo

FERNANDO COLLOR, que não conseguiu convocar jornalista para depor, observado por Chico Alencar e Miro Teixeira em sessão da CPI.
Foto: André Coelho - Fonte: O Globo

MIRO (em pé) se opôs a requerimento de Collor (esquerda) de separar gravações de jornalista com Cachoeira.
Foto: André Coelho - Fonte: O Globo

Com um plenário praticamente vazio, o deputado Stepan Nercessian (PPS-RJ) reapareceu na Câmara e usou a tribuna para, de novo, explicar que pediu R$ 160 mil emprestados ao amigo Cachoeira para comprar um apartamento e que devolveu a quantia. Argumentou que “pedir dinheiro não é crime” e que vem passando por “angústia e tristeza”.
Foto: André Coelho - Fonte: O Globo

O limite do apego

Vamos reproduzir aqui no blog o exemplar artigo da psicóloga Rosely Sayão, que merece ser lido e guardado.
Não dá para ficar calado.

O limite do apego
Rosely Sayão

Filhos precisam ser prioridade, mas priorizá-los não significa se dedicar exclusivamente a eles
"Você é mãe o suficiente?" Foi com essa frase provocativa ao lado de uma foto que mostra uma jovem mãe amamentando seu filho bem crescido -mais de três anos- que a revista "Time", uma prestigiada e conhecida publicação semanal dos Estados Unidos, chamou a atenção para um tema dos mais polêmicos.

O assunto da capa da revista não se restringiu ao tempo de amamentação do filho. O tema explorado tratou dos princípios da teoria de um médico de lá que afirma que criar os filhos com muito apego promove a formação de pessoas confiantes e seguras.

Segundo o médico Bill Sears, criador dessa teoria, a mãe deve passar o maior tempo possível com os filhos, estender o tempo da amamentação e dormir com os pimpolhos na mesma cama, entre outras coisas. Temos um bom assunto, não temos?

E podemos começar com a ideia do apego. Tal palavra quase sempre aponta para um excesso, não é verdade? E, por falar em excesso, muitas mães hoje já têm uma relação de proximidade excessiva com seus filhos. Sabem de tudo -tudo mesmo- da vida dos filhos, declaram seu amor a eles o tempo todo, beijam e abraçam com uma frequência que incomoda até os filhos etc.

E não é um fato curioso que justamente essa geração que tem tanta proximidade com seus filhos sofra de uma culpa permanente em relação a eles? Aparentemente, essas mães nunca conseguem realizar o que acham que deveriam na maternidade.

O médico Bill Sears parece ter conseguido concretizar a fórmula ideal que habita o imaginário dessas mulheres: ser mãe é se dedicar completamente ao filho.

Será que isso faz bem aos mais novos? Muitos afirmam que não e já temos alguns indícios: a geração que passou a ser criada dessa maneira mostra ter falta de maturidade e de autonomia quando termina a adolescência. Que, por sinal, parece não terminar nunca!

A dedicação aos filhos precisa, é claro, ser a prioridade na vida da mulher. Mas priorizar os filhos não significa se dedicar única e exclusivamente a eles. Significa estar disponível quando eles precisam -e não quando eles querem-, saber que educar supõe quase sempre desagradar os filhos e aguentar o sofrimento inevitável que a vida impõe às crianças, por exemplo.

E priorizar o filho significa também -e esse é um ponto delicado no mundo contemporâneo- que o tempo, mesmo que pequeno, dedicado a ele não pode ser interrompido por nada.

Um outro ponto que quero comentar hoje a respeito do tema é o tempo da amamentação. Temos inúmeros estudos e pesquisas que mostram que a criança amamentada por mais tempo cresce fisicamente mais saudável. Mas saúde é um conceito complexo que não se refere apenas ao aparato biológico.

A amamentação não alimenta apenas o corpo do bebê: alimenta também o tipo de relacionamento da criança com sua mãe, relacionamento esse que não conhecemos totalmente e que pode produzir os efeitos mais variados.

Dormir na mesma cama que a mãe e ser amamentada no peito por anos são situações que podem confundir a criança na compreensão de seu lugar de filho. E isso terá reflexos em sua saúde mental. Quais tipos de reflexo que podem surgir é o que não sabemos.

"Você é mãe o suficiente?" é uma pergunta que tem estado no ar faz tempo. Tempo suficiente para provocar culpas que são vividas como reais por muitas mulheres, mas que, de fato, são produzidas por esse mercado que vende de tudo, inclusive ideias. Como bons consumistas, compramos quase tudo que nos é ofertado, não é verdade?

ROSELY SAYÃO é psicóloga e autora de "Como Educar Meu Filho?" (Publifolha)

domingo, 10 de junho de 2012

Matança de crianças e mulheres

Continua diariamente a matança de crianças e mulheres na Síria pelas forças do governo do ditador Assad.

Como parar a violência sem uma invasão violenta?

Não dá para ficar calado.

segunda-feira, 21 de maio de 2012

À margem de palestra que fiz em Criciuma

40% da cidade está sobre túneis de minas de carvão mineral.

Mostraram-me a maior e mais bonita casa de Criciúma. Ocupa um quarteirão enorme. Teria sido decorada com objetos importados. "Nem o Angeloni (empresário de supermercados) tem uma casa como essa". O dono é um pediatra da cidade, que é adorado por todos. Incrível!

A fala que escutei por lá : "Barrrbaridade", "Magina", "Este carinho que tu fazes".
Para comer: Pizza em cone e tábua. E com o  frio que faz lá, muita sopa. Muito ruim é um tal de vinho Colonial.
São algumas das boas lembranças.
Não dá para ficar calado.

Baixo nível de nossos políticos

A frase do deputado federal Cândido Vacarezza (PT) para o governador do Rio, Sergio Cabral (PMDB), dita com o objetivo de acalmá-lo sobre sua convocação para a CPI do Cachoeira é uma vergonha em todos os sentidos: "Você é nosso e nós somos teu".

Não dá para ficar calado.

Abuso sexual de Xuxa na infância

A apresentadora Xuxa em longa entrevista ao Fantástico revelou seu sofrimento por ter sofrido, na infância e juventude, abusos sexuais por pessoas ligadas à sua família.

A divulgação do tema com experências pessoais é muito importante para prevenir e combater o abuso sexual intrafamiliar de crianças e adolescentes na nossa sociedade.

Sobre o assunto dei hoje algumas entrevistas sendo a mais prolongada para a revista Contigo. O vídeo da entrevista da Xuxa já está no YouTube. Confira abaixo:

Não dá para ficar calado.

"Pondo fim à praga do bullying"

Com o título acima, a Folha SP reproduziu texto publicado no The New York Times. O artigo reforça a importâcia do combate ao bullying nas escolas para evitar consequências sérias para os que sofrem as agressões. Enfatiza que aqueles que praticam o bullying nas escolas frequentemente continuam a fazer o mesmo no ambiente de trabalho. O artigo cita matéria de A. O. Scott publicado no Times e cita também o livro "The Bully Society", de Jessie Klein. Faz referência a uma pesquisa do Workplace Bullying Institute e estudos publicados na revista "Psychology Today".

É importante mostrar como o bullying vem preocupando os americanos. Entre nós, avançamos muito no combate ao bullying escolar. De uma forma um tanto ridícula e falsa, políticos e até ministro do Superior Tribunal de Justiça alardeiam que sofrem bullying. Pelo menos mantêm o tema em evidência.

Confira, abaixo, a matéria na íntegra:


Pondo fim à praga do “bullying”

A criança atormentada muitas vezes se torna um adulto atormentado.

Em todo o mundo, governos tentam pôr fim a uma cultura de bullying que pode começar na escola e continuar no local de trabalho

Eles aterrorizam os recreios das escolas, extorquem o dinheiro do almoço e ridicularizam seus colegas por causa da aparência, da posição social ou da capacidade. Alguns usam os punhos, outros ameaçam com palavras.

Seja como for, a praga da prepotência, conhecida como “bullying” em inglês, há muito tempo é considerada um rito de passagem inevitável para os jovens. “É coisa de crianças”, dizem os adultos.
Ultimamente, porém, o “bullying” está recebendo mais atenção. Segundo especialistas, os prepotentes podem infligir danos emocionais duradouros a suas vítimas. Eles também podem, quando adultos, dominar locais de trabalho com a mesma agressividade cruel.

Em uma resenha no “Times”, A. O. Scott escreveu que o filme “documenta uma mudança de consciência, do tipo que ocorre quando indivíduos isolados e oprimidos descobrem que não são os únicos e começam o difícil trabalho de modificar condições intoleráveis geralmente consideradas normais”.

O documentário, que se concentra nas dificuldades de cinco famílias, revela adultos desorientados. Depois que Alex, um jovem de 14 anos de Sioux City, Iowa, conta que foi humilhado e agredido em um ônibus escolar, um diretor negligente diz que as crianças são “meninos de ouro”.

Existem motivos críticos para prestar mais atenção no problema. Umdeles é citado em uma resenha no “Times” do livro “The Bully Society”, de Jessie Klein. O livro cita um estudo do Serviço Secreto dos EUA segundo o qual 71% dos que praticaram tiroteios nas escolas tinham sido vítimas de “bullying”.

Klein culpa as culturas “hipermasculinas” por contribuir para a prepotência. “Em vez do leque de emoções ao alcance das meninas, os meninos só têm permissão para sentir raiva e são incentivados a controlar os outros sentimentos.” Mas Klein também mostra que as garotas cultivam sua própria forma de “bullying”.

Parte desse comportamento pode ser levado para a idade adulta. Mickey Meece citou no “Times” um estudo do Workplace Bullying Institute que afirma que 60% dos prepotentes no local de trabalho eram homens. Mas, dos 40% de mulheres prepotentes, 70% dominavam outras mulheres.

“Fui sabotada tantas vezes no trabalho por outras mulheres que deixei o mundo corporativo”, disse Roxy Westphal, que fundou sua própria empresa no Arizona.

Independentemente do gênero, o “bullying” no trabalho cobra um preço alto. A revista “Psychology Today” citou estudos conectando a prepotência no trabalho a problemas de saúde e suicídios.

Alguns governos, como o da Nova Zelândia, aprovaram leis contra a agressividade no local de trabalho. E muitas empresas estão implementando filtros mais duros nas entrevistas de empregos para descobrir os tipos de personalidades prepotentes. O Google, por exemplo, tem uma estrita política de “zero malucos”.

Mas o que os torna malucos? Sam Goldstein, professor de psicologia na Universidade de Utah, afirmou que os “bullies” da infância vêm de “um ambiente familiar conflituoso” e muitas vezes sofrem problemas emocionais mais tarde na vida.

O doutor Goldstein pede programas mais abrangentes que trabalhem com carrascos e vítimas, assim como as famílias, para impedir que os prepotentes façam mal aos outros e a si mesmos.

Fonte: Folha de São Paulo

domingo, 20 de maio de 2012

Julgamento do mensalão no Supremo

Domingo. Calçadão de Ipanema. No posto 9 um grupo de manifestaqntes com carro de som tenta mobilizar pessoas contra a corrupção e pela rapidez de julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal. Poucos param. Alguns assinam um abaixo assinado.

Um pouco adiante um grupo alegre faz propaganda de Yoga com rapazes oferecendo "abraços grátis" ou "free hugs". Muita gente parando e trocando abraços.

Não dá para ficar calado.

Convocação do governador do Rio para a CPI do Cachoeira

Merval Pereira na sua coluna de hoje em O Globo acha talvez inevitável a convocação do governador Sergio Cabral para a CPI do Cachoeira. A declaração de Vaccareza, deputado federal do PT, garantindo a blindagem de Sergio Cabral vai estimular a convocação : "Não se preocupe, você é nosso e  nós somos teu (sic)".

Não dá para ficar calado.

sábado, 19 de maio de 2012

Palestra em Criciúma

Viajo com regularidade para fazer palestras sobre temas ligados à infância e sobretudo sobre a violência contra crianças e adolescentes.

Voltei agora de Criciúma, cidade catarinense situada a 200 quilômetros de Florianópolis, com cerca de 180 mil habitantes. Falei sobre a violência sexual contra crianças e adolescentes com enfoque maior na temática do abuso sexual. Merece destaque especial a intensa participação, interesse e interação do público, extremamente afável. Foi bastante gratificante para mim apesar da viagem desde o Rio ser um tanto cansativa.

Não dá para ficar calado.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Prescrição em crimes sexuais contra crianças e adolescentes

Da advogada e colaboradora Ana Gabriela Kurtz recebo e-mail informando que em 17 de maio a Presidente Dilma Roussef sancionou lei do Congresso Nacional que altera o Código Penal e determina que em crimes sexuais contra crianças ou adolescentes a prescrição só se contará a partir da data em que a vítima completar 18 anos.

É uma justa medida tomada à véspera do dia em que se comemora a luta contra a violência sexual contra crianças e adolescentes.

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Jornalista exibe filme sobre a Armênia


Uma viagem pela Armênia por meio de seus rostos e sons. É o que propõe o filme "Rapsódia Armênia", com direção e roteiro da fotógrafa da "Serafina" Cassiana Der Haroutiounian, jornalista da Folha, de Cesar e Gary Gananian.

A produção, de estilo "road movie", foi exibida no cinema da Reserva Cultural, na avenida Paulista, apenas para convidados. O filme poderá ser visto no Malba, em Buenos Aires, também por convidados.

O longa-metragem, de 62 minutos, depois segue para o circuito de festivais dentro e fora do país.
"O espectador vive o que é a Armênia através de histórias individuais com a história maior, do país, como pano de fundo", explica a produção do filme, no convite da "avant-première". As cenas foram gravadas em diferentes lugares do país.

A data da primeira exibição no Brasil coincide com o aniversário do genocídio armênio, em que morreram 1,5 milhão de pessoas entre 1915 e 1923.

A Turquia nega o genocídio e diz que houve cerca de 300 mil mortes como consequência de doenças e guerras à época da desintegração do Império Otomano.

Fonte: A Folha de São Paulo / folha.com
Não dá para ficar calado.

Documentário "Bully" já estreou nos EUA. O tema central é o bullying.

Matéria especial da Globo News noticia estreia do documentário "Bully" nos Estados Unidos e entrevista a Dra. Evelyn Eisenstein, médica pediatra, que dá informações importantes para pais, professores e alunos que enfrentam o problema.

Confira o vídeo completo do programa, acessando o link a seguir (Globo News): http://globotv.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/v/documentario-bully-estreia-hoje-nos-estados-unidos/1881491/

Não dá para ficar calado.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Filmes dublados

Filmes são instrumentos de lazer, prazer e cultura. Filmes dublados são um prejuizo à cultura e ao aprendizado.

Não dá para ficar calado.

Quem tem 106 imóveis ?

Funcionário graduado do governo Kassab em SP adquiriu, em sete anos no cargo, 106(!!) imóveis. A alta de vergonha total está se propagando intensamente.

Não dá para ficar calado.

Bicicletas versus pedestres

Assim como muitos leitores dos jornais do Rio eu também quase fui atropelado por ciclistas. No calçadão de Ipanema, e por uma bicicleta na contra-mão na  rua.

Já assisti pessoas sendo atropeladas por bicicletas. Já vi pessoas discutindo violentamente pelo direito de bicicletas andarem nas calçadas. Será que é difícil entender que a prioridade é sempre do pedestre?

Se o prefeito do Rio andasse à pé pelas ruas deixaria de ser o grande marqueteiro do uso irresponsável de bicicletas.

Não dá para ficar calado.

domingo, 13 de maio de 2012

Bebês morrem sufocados pelos pais: acidente ou negligência?

Continuam a surgir casos de pais que dormem sobres os filhos, bebês, e os matam por sufocamento.

Em Minas, bebê de 2 meses morreu sufocado pela mãe, que dormiu sobre ele na cama. Ela havia ingerido bebida alcoólica. Também em Minas outro bebê, de 1 mês, foi sufocado pelo pai quando dormia. O pai havia ingerido bebida alcoólica.

A distância entre acidente e negligência é muito tênue. Os pais dormiram alcoolizados. Lugar de bebês dormir é no berço. Eles não sabiam disso? A possibilidade de homicídio culposo (sem intenção de matar) deve ser levada em conta.

Insisto sempre: quem não está preparado para ter filhos, não pode tê-los. Criança não é brinquedo de adultos.

Não dá para ficar calado.

sábado, 12 de maio de 2012

Georges Sadala: De empresário falido, da noite para o dia, virou milionário e "laranja" de Cabral e Cavendish





Georges Sadala Rihan é amigo íntimo de Fernando Cavendish e Sergio Cabral. Inclusive no casamento de Sadala, segundo a revista Caras, um dos pajens foi Tiago Cabral, filho do governador e de Adriana Ancelmo. Foi Sadala quem levou a Delta para Minas Gerais, sendo o testa-de-ferro de Cavendish em vários negócios.

Há alguns anos atrás, Georges Sadala era um mal sucedido empresário, com empresas inativas e até declarado falido pela justiça. 


Mas de repente tirou a sorte grande. Foi no governo de Sérgio Cabral que Sadala teve um crescimento patrimonial vertiginoso, através da constituição de oito empresas no período entre dezembro de 2007 e abril de 2011. De empresário falido devendo na praça, com as bênçãos de Cabral em pouco tempo virou um milionário e companheiro de farras do governador e de Fernando Cavendish pelo mundo afora, fazendo parte da “Gangue dos Guardanapos”. 

PROGRAMA RIO POUPA TEMPO – A união do Rei Arthur, Sadala e o Mensalão de Brasília

O Rio Poupa Tempo é uma iniciativa do governo estadual entregue ao CONSÓRCIO AGILIZA RIO, formado pelas empresas GELPAR EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA, de cuja sociedade faz parte Georges Sadala; Vex Logística em Transportes Ltda (Novo nome do Facility, do Rei Arthur); B2BR e CEI Shopping Centers. 


As outras empresas do CONSÓRCIO AGILIZA RIO estão nas mãos de outros amigos de Cabral. A VEX LOGÍSTICA EM TRANSPORTES LTDA, hoje denominada FACILITY TECNOLOGIA LTDA, é uma das empresas de Arthur César de Menezes Soares Filho, o Rei Arthur. As outras empresas do CONSÓRCIO AGILIZA RIO estão nas mãos de outros amigos de Cabral. A VEX LOGÍSTICA EM TRANSPORTES LTDA, hoje denominada FACILITY TECNOLOGIA LTDA, é uma das empresas de Arthur César de Menezes Soares Filho, o Rei Arthur. A Facility Tecnologia (CNPJ 04.704.424/0001-98) fica na Rua Comandante Vergueiro da Cruz 315, Olaria.

Outra empresa participante do CONSÓRCIO AGILIZA RIO é a B2BR, do Grupo TBA Informática, cuja presidente é CRISTINA BONNER. Ela é acusada por Durval Barbosa, pivô das denúncias do Mensalão do DF, de abastecer o esquema de corrupção entre o ex-governador Arruda e deputados distritais com propinas em troca de contratos com o governo. 

Para assistir o vídeo clique no link abaixo.

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,em-gravacao-inedita-delator-do-mensalao-do-dem-diz-que-autoridades-tem-copias-de-suas-fitas,692830,0.htm

O negócio de Sadala com o amigo Cabral através do Rio Poupa Tempo é bastante lucrativo e já rendeu mais de 57 milhões em menos de quatro anos. 


E ainda mais, o quarto termo aditivo assinado em 29/11/11, que reajustou o valor do contrato para mais de R$ 2,3 milhões por mês. 


Agora vejam vocês mais uma coincidência incrível. Sadala é vizinho de Cabral, Cavendish e Côrtes no Condomínio Portobelo, em Mangaratiba (um novo paraíso fiscal). Por ironia do destino, todos eles enriqueceram nos últimos 5 anos e 4 meses, tempo em que Cabral está no Palácio Guanabara... 

Investigações estão perto de comprovar que Cabral tem um apartamento em Paris em nome de George Sadala, comprado por Fernando Cavendish. E mais grave: as mesmas investigações mostram que o luxuoso apartamento em que Sadala mora na Avenida Vieira Souto, em Ipanema foi comprado por Cavendish e doado a Sadala. 
Avenida Vieira Souto, nº 582, Ipanema. O endereço de Fernando Cavendish e também de Georges Sadala
Avenida Vieira Souto, nº 582, Ipanema. O endereço de Fernando Cavendish e também de Georges Sadala


E aguardem porque identificamos mais um integrante da “Gangue dos Guardanapos”. Vem a ser o secretário de Urbanismo do governo Eduardo Paes, Sérgio Dias. 




Conforme vocês devem ter tomado conhecimento durante o feriadão através da mídia o nosso blog vem divulgando uma série de fotos e vídeos mostrando as farras milionárias de Cabral e seus secretários com o dono da Delta, Fernando Cavendish. Se vocês ainda não viram as imagens, abaixo desta postagem está a sequência de matérias e revelações. Mas antes reproduzo matéria do Radar online, da Veja, que ontem divulgou um vídeo inédito cedido pelo nosso blog que mostra que além das farras em festas e jantares, a turma de Cabral e Cavendish também foi apostar com o dinheiro do povo no cassino de Monte Carlo. 

Reprodução do Radar online, da Veja
Reprodução do Radar online, da Veja


A moral da história da sequência de fotos e vídeos que revelaram para o Brasil as farras de Cabral, Cavendish e sua turma em Paris, Cannes e Mônaco, salta aos olhos, não deixa qualquer dúvida. O governador do Rio, Sérgio Cabral mais quatro secretários, Régis Fichtner (Casa Civil), Wilson Carlos (Governo), Sérgio Côrtes (Saúde) e Julio Lopes (Transportes) em festas e jantares nos lugares mais sofisticados e caros da Europa levando vida de milionários em companhia de Fernando Cavendish, dono da Delta, a empreiteira que tem mais contratos com o governo do Rio, ultrapassam mais de R$ 1,5 bilhão, além de outros empresários amigos que também recebem dinheiro do Estado. A relação promíscua, as bebedeiras, as farras, as mordomias, as compras de artigos de luxo, comprovam uma verdadeira orgia com o dinheiro público.

O nosso blog está prestando um serviço à sociedade e fazendo história. Digo isso, não para me vangloriar ou porque Cabral foi finalmente desmascarado por completo e sua verdadeira face exposta ao público, sem blindagens. Mas porque pela primeira vez na história do jornalismo brasileiro foram reveladas imagens (fotos e vídeos) das festas particulares, das farras opulentas de um governador e seus secretários com empresários que vivem de negociatas corruptas com o dinheiro público.

Muito já se ouviu falar de festas de arromba com a participação de políticos e de viagens internacionais do governador A ou B. O nosso blog mesmo noticiou em primeira mão, várias das viagens de Cabral, que ele tentou manter escondidas. Agora mesmo no caso Cachoeira já se falou muito de vídeos que o contraventor tem guardados mostrando as festas que bancava para políticos e empresários. Mas é a primeira vez que as pessoas vêm com seus próprios olhos. Por isso a repercussão extraordinária. As imagens que mostramos foram como um tapa na cara da hipocrisia daqueles que vinham protegendo Cabral ao longo dos últimos anos. A contundência das cenas que mostramos, o flagrante deboche que ofende as pessoas honestas, fez com que até veículos de comunicação que sempre ignoraram as denúncias do nosso blog se rendessem.

Os desdobramentos das revelações das farras de Cabral

E agora o que vai acontecer? Essa com certeza é uma pergunta que deve estar na cabeça da maioria dos leitores. Pois bem, a nova postura da mídia ao noticiar com destaque as farras de Cabral, sem poupá-lo e o questionando, deixa um recado claro. Se não forem dadas respostas efetivas, se quem tem o dever de investigar e de zelar pelo dinheiro público se omitir será desmoralizado perante a opinião pública. E agora não será apenas o Blog do Garotinho e mais meia dúzia a mostrarem isso à população.

A comissão de sindicância criada por Cabral para investigar os contratos da Delta, presidida pelo secretário Régis Fichtner, um dos que participou das farras com Fernando Cavendish, em Paris está desmoralizada. Não tem nem mais razão de existir. É uma farsa que está desmontada.

Na semana passada, o Procurador do Ministério Público Estadual, Cláudio Lopes mandou arquivar um procedimento relativo às ligações de Cabral com a Delta e seu dono Fernando Cavendish, sob o argumento de que não havia nenhum indício de favorecimento ou improbidade. De acordo com a legislação, o Conselho do MP Estadual tem poder para rever a decisão do Procurador-Geral e mandar abrir um inquérito. O que vai acontecer ninguém sabe, mas a esta altura diante de tudo o que as pessoas tomaram conhecimento, é difícil de acreditar que o MP esteja disposto a se desmoralizar e socorrer Cabral sendo arrastado para o fundo do poço.

E qual será a postura da Assembléia Legislativa? Não se iludam que na ALERJ não sairá CPI nenhuma. Paulo Melo não vai deixar e Cabral tem maioria construída com base em favorecimentos a deputados, que por isso mesmo estão na mão do governador. Mas confesso que estou curioso em saber o que os defensores ardorosos de Cabral na ALERJ, como Cidinha Campos, por exemplo, vão dizer para defendê-lo. Que argumentos a esta altura podem usar para defender Cabral?

Mas com certeza o principal questionamento da sociedade é sobre a CPI do Cachoeira. Cabral vai ou não ser convocado para depor na CPI e se explicar? É uma incógnita, mas há duas situações que é preciso observar. Claro, que Cabral já está movimentando a poderosa tropa de choque do PMDB e seus aliados do PT para o blindarem e impedirem que seja convocado a depor. Essa é uma face da moeda. Mas a outra face coloca um dilema diante do Congresso Nacional. É incontestável, e o nosso blog provou isso, que há muito mais elementos sobre as relações promíscuas de Cabral com Fernando Cavendish, da Delta, do que as suspeitas e indícios que atingem os governadores Marconi Perillo (Goiás) e Agnelo Queiroz (Distrito Federal). Se pouparem Cabral de ir à CPI, não terão argumentos para convocar Marconi Perillo e Agnelo Queiroz. E se fizerem isso acabou a CPI e o Congresso Nacional estará desmoralizado.

Uma coisa é certa eu estarei na CPI e vou mostrar muito mais do que já revelamos através do blog. Está na hora de dar um basta no maior assalto aos cofres públicos da história do Rio de Janeiro. Não adianta Cabral fazer ameaças porque não vou recuar.
Daqui a pouco detalhes sobre Georges Sadala e seu enriquecimento vertiginoso, o homem que dirige o Poupa Tempo, do governo do Estado, mas arranja tempo pra fazer muito dinheiro. Ele é um dos integrantes do “Bando dos Guardanapos”.





quinta-feira, 10 de maio de 2012

Alcoolismo. Uma doença.

O livro do médico Claudio M. onde relata a própria sofrida experiência com o alcoolismo deve ser lido por todos. Reproduzo abaixo um trecho de "Alcoolismo".

"A forma como bebia me colocou em um labirinto. Não encontrava a saída, sofria de medo e, em pleno desespero, desejava morrer.Poucos são os que entram nesse labirinto e saem vivos. Medo, sofrimento, solidão  e sempre aquela única solução no horizonte: beber e beber até apagar. Preso dentro de um quarto, onde a única companhia eram as garrafas de vodca ainda cheias e vazias pelo chão, eu sofria! Sofria e me escondia da vergonha entre as garrafas cheias e vazias.

Não tinha nenhuma idéia de  como tinha ido parar ali. A  memória apagada pelo álcool não deixava sentir o passado. A derrota era total. Triste e fatídica é a doença que apaga a  nossa vida, tenha sido ela boa ou ruim.
Eu me sentia envolvido em uma névoa de tristeza e solidão, sem esperança de mudar. Pelo contrário, sempre piorava. Sabia estar caminhando- parado e apavorado- para a morte. Sabia também que ela aida estava longe. e eu não sabia como fazer para apressá-la. Eu não sabia morrer, apesar de desejar um fim para aquele sofrimento. Chorava e pedia ajuda, mas ela só vinha acompanhada de mais um copo de vodca.

Não sei quantos dias, semanas ou meses fiquei neste desespero. Sei apenas que o sofrimento era  tanto que doía. Doía o peito, doía a alma, e sempre a pergunta: por quê?"

Não dá para ficar calado.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Palmada: símbolo de uma cultura ultrapassada

Em razão de algumas pesquisas internacionais divulgadas, o assunto palmada, ou melhor, o castigo físico como forma de educar crianças voltou à pauta. Dei algumas entrevistas. Fechei todas elas aconselhando: "Antes de terem filhos todos devem pensar nas duras responsabilidades que irão assumir. Se não se sentirem em condições, emocionais e financeiras, não tenham filhos. E se não puderem abdicar de seu tempo, não tenham filhos". Na árdua tarefa de educar filhos e aí se inclui obrigatoriamente o estabelecer limites, não há lugar para o castigo físico.

Demonstrar sua autoridade, manter seu controle emocional e servir como exemplo de comportamento para seus filhos é um grande desafio para os pais. E como fazer isso? Acho que antes de tudo devemos estar convencidos de que a violência é inaceitável. É essa é uma mensagem que devemos transmitir para nossos filhos.

Bater em crianças é antes de tudo um ato de covardia. A cultura de educar filhos com agressões, inclusive a palmada, é transmitida e aceita através da gerações. Contudo, não podemos ensinar a nossos filhos que os conflitos devem ser resolvidos com violência. Mas é essa a mensagem que os pais passam para os filhos quando lhes impõem castigos físicos.

Não precisamos de novas leis nem de novas pesquisas. É preciso entender que os tempos mudaram. Não podemos simplesmente aceitar como regra o que era antigamente considerado correto. É possível demonstrar autoridade, estabelecer limites e deixar claro para nossos filhos que gostamos muito deles, mesmo quando os desagradamos. Faça um esforço. Estou certo que você consegue mudar.

Não dá para ficar calado.

Esgotos da Pátria

De Arnaldo Jabor em, O Globo de 17/04/2012, sobre os escândalos de corrupção no Brasil:

"Estamos progredindo, pois aparece mais a secular engrenagem latrinária que funciona abaixo dos esgotos da pátria. A verdade está nos intestinos da pátria."

Jabor tem razão e sintetizou bem. É tudo muito nojento.

Não dá para ficar calado.

Mensalão

"A cortina de fumaça do PT para encobrir o maior escândalo de corrupção da história do país". Esta foi a capa da revista Veja de 18/04/2012. Muita coisa ainda virá. E não só do PT.

Por enquanto, ainda nos resta pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para o julgamento do mensalão acontecer ainda neste semestre de 2012 e, finalmente, votar bem nas próximas eleições.
E não desistir.
Não dá para ficar calado.

terça-feira, 27 de março de 2012

Religião, Política e Democracia

Fiz o curso acima na Casa do Saber, ministrado pelo filósofo Luiz Bernardo Araújo, na tentativa de compreender melhor as chamadas "motivações religiosas" para os atos de terrorismo. Com o mesmo objetivo também li um dos livros recomendados pelo professor: "Entre Naturalismo e Religião", de Jürgen Habermas. E tome considerações filosóficas... Mas o curso foi ótimo.

Lamento que os componentes psicológicos, psiquiátricos e sociopáticos desses terroristas sejam geralmente pouco abordados e valorizados.

Não dá para ficar calado.

Terroristas americanos em Cuba

O livro do escritor e jornalista Fernando Morais, "Os últimos soldados da guerra fria", publicado em 2011 pela Companhia da Letras, revela minuciosamente episódios e atos de terrorismo contra Cuba comandados pelos americanos-cubanos de Miami.

Espiões do governo de Cuba infiltrados em Miami, conseguiram impedir várias ações desses terroristas. Vários mercenários foram descorbertos e presos em Havana. Mas os EUA através do FBI conseguiu descobrir o grupo de espiões cubanos. Hoje, cinco deles estão presos em diferentes presídios no território americano. Alguns foram condenados à prisão perpétua, mas tiveram sua penas posteriormente reduzidas. Seguem presos e absurdamente seus familiares não conseguem o visto americano para visitá-los.

Lendo o livro e lembrando também da prisão de Guantámano, especialmente nesse momento da visita do Papa à ilha, você poderá lembrar-se que há muitos presos políticos, não só em Cuba.

Não dá para ficar calado.

Israel coloniza e ainda reclama da ONU

"Israelenses rompem relação com órgão de direitos humanos da ONU". Este é o título de reportagem da FolhaSP de hoje, 27/3. Em desenho e gráfico com o título "Colonização. Assentamentos israelenses causam atrito com a ONU". O jornal mostra o avanço das ações colonizadoras de Israel na Cisjordânia.
Recentemente o Conselho de Direitos Humanos da ONU decidiu criar comissão para investigar os assentamentos de israelenses na região, causa evidente de atrito com a Palestina (país já reconhecido pelo UNICEF, também órgão da ONU). Israel não aceitou.

Na ONU Israel isola-se, sempre em parceria com os EUA. Aliás próximo das eleições presidenciais americacas, é o melhor momento para desafiar e sobretudo chantagear, desta vez através da ONU.

Apesar de não estranhável, não deixa de ser decepcionante ver o desprezo de Israel e dos EUA pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Não dá para ficar calado.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Ciclistas caçam pedestres

Domingo pela manhã, praia de Ipanema. No calçadão de pedestres muitas bicicletas avançam, algumas velozmente. Uma mulher foi atropelada, felizmente sem consequências, por um ciclista e reclamou com veemência. O troglodita respondeu certo de sua impunidade: "Ando onde eu quiser". Não me contive e gritei: "Não anda não. Vamos chamar a polícia". Mas ele seguiu à cata de outro pedestre.

O decepcionante e desanimador é que entre o Jardim de Alah e o Posto 9, encontrei 15 PMs! Sim. Três grupos de cinco batendo papo, à sombra e protegidos pelos seus óculos escuros. Falamos com eles sobre o ocorrido. Eles nos disseram que não recebem nenhuma ordem ou orientação à respeito. É incrível!

Certamente nada ocorrerá. Segue a guerra. Ciclistas caçam pedestres e carros caçam ciclistas.

Não dá para ficar calado.

O genocídio armênio

Com propriedade o advogado Simão Kerimian, nos recorda que o 24 de abril de 1915, é consagrado como o dia de luto nacional pelo povo armênio. Foi em 1915 que o governo turco-otomano decidiu exterminar os armênios. Foram mortos cerca de 1,5 milhão. Milhares fugiram e foram para diversos países. No Brasil há cerca de 80 mil armênios e seus descendentes, principalmente na região de Osasco,SP.

Vários historiadores afirmam que Hitler justificou sua "solução final para o problema judaico" citando o genocídio armênio como exemplo. "Quem se lembra do massacre dos armênios?"

A Turquia não reconhece o genocídio dos armênios, ao contrário de muitos países como França, Alemanha, Russia, Argentina e tantos outros. Infelizmente o Brasil não está entre eles.

O reconhecimento do genocídio de 1,5 milhão de armênios é uma questão de justiça, de direitos humanos , da qual não podemos fugir.

Não dá para ficar calado.

sexta-feira, 23 de março de 2012

Fumo matou 6 milhões em 2010

Em 2010, o cigarro matou 6 milhões de pessoas. Apenas 20% em países desenvolvidos. E aqui no Brasil a Souza Cruz entrou na Justiça contra decisão da ANVISA de proibir cigarros com sabor.

A meta dessa indústia da morte é seduzir jovens, sempre mais suscetíveis.

Não dá para ficar calado.

"O direito à morte digna"

Com o título acima Flavia Piovesan e Roberto Dias, professores da PUC SP, em excelente artigo publicado em O Globo de 22/03 , defendem o direito das pessoas, sem interferência do Estado, escolherem uma forma digna de morrer. Como de hábito os políticos à cata dos votos religiosos, dificultam o progresso e o direito dos cidadãos.

O tema eutanásia e o direito à uma morte digna já foi tratado várias vezes no Observatório da Infância.

O artigo citado é reproduzido abaixo.

Não dá para ficar calado.



O direito à morte digna
Flavia Piovesan e Roberto Dias, O Globo

Neste mês, Tony Nicklinson instou a Justiça britânica a analisar se um médico pode ajudá-lo a pôr fim à sua vida. Após sofrer um derrame, em 2005, Nicklinson, hoje com 58 anos, ficou completamente paralisado e se comunica apenas com o movimento dos olhos. Consciente, mas incapaz de mover o corpo, ele quer morrer. Para isso, busca assegurar uma forma legalizada e, na sua visão, “dignamente humana” para decidir quando e como morrer.

No Brasil, em 9 de março, comissão de juristas nomeada pelo Senado para elaborar um anteprojeto de lei de um novo Código Penal aprovou a proposta de descriminalizar a conduta daquele que não fizer uso de meios artificiais para manter a vida do paciente, quando a doença for grave e irreversível, atestada por dois médicos, com consentimento do paciente ou da família.

Diante da certeza da finitude da vida, como compreender a morte? Qual é o alcance do direito à autodeterminação individual nesta experiência solitária? Qual é o espaço de autonomia e liberdade no exercício da morte? Como repensar a morte não como algo a ser evitado, mas, em determinadas circunstâncias, como um direito a ser perseguido?

Nas últimas décadas, o avanço da medicina tem trazido inúmeros benefícios à saúde das pessoas, reduzindo o sofrimento humano e pondo a salvo vidas.

Todavia, o progresso da ciência tem suscitado relevantes questionamentos, especialmente em relação às obstinadas tentativas de prolongamento do ciclo vital e à postergação do processo de morte. Por vezes, isto afeta terrivelmente a dignidade da pessoa, bem como a autonomia do paciente e a concepção que tem acerca da própria vida.

Desde 1999, a lei paulista nº 10.241 dispõe sobre o direito de o paciente, depois de devidamente informado, poder consentir ou recusar procedimentos diagnósticos ou terapêuticos, bem como impedir tratamentos dolorosos ou extraordinários para tentar prolongar a vida, além de escolher o local de sua morte.

O novo Código de Ética Médica impõe ao profissional de saúde o dever de prestar todas as informações ao enfermo para que este possa livremente consentir ou recusar os procedimentos propostos.

Como retratado no filme “Os descendentes” — vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado em 2012 —, não há motivo para impedir a uma pessoa capaz de indicar os procedimentos médicos que não aceitará, quando, por qualquer motivo, se tornar inábil para expressar os desejos sobre as intervenções médicas que impactem sua saúde, seu corpo, sua vida e sua morte.

O living will (“testamento vital”), amplamente difundido nos EUA, tem especial utilidade para preservar a autonomia e a dignidade da pessoa no momento em que não puder expressar sua vontade acerca dos procedimentos médicos sugeridos ou sobre o prolongamento de sua vida.

No Brasil, ainda que não exista qualquer referência legal expressa ao “testamento vital”, não há razão para rejeitar sua validade.

A dignidade é princípio fundamental consagrado pela Constituição brasileira. Se ninguém pode ser privado de sua vida arbitrariamente, nada impede que cada pessoa escolha seus próprios caminhos no que diz respeito à vida e à morte, com autonomia e liberdade.

No Estado laico há que se admitir o direito de morrer com dignidade, impedindo que dogmas religiosos imponham, coercitivamente, por meio do Estado, uma conduta ou uma abstenção.

No estado democrático todas as religiões devem merecer igual consideração e profundo respeito, não podendo a ordem jurídica converter-se na voz exclusiva da moral de qualquer religião. A laicidade estatal é condição para uma sociedade democrática, livre e pluralista.

O reconhecimento do direito à morte digna decorre dos direitos à liberdade, à autonomia, ao respeito e à vida, no marco de um Estado laico, no qual impera a razão pública e secular. Negá-lo é aceitar o paternalismo despótico ou, como atenta Dworkin, “levar alguém a morrer de uma maneira que outros aprovam, mas que para ele representa uma terrível contradição de sua própria vida, é uma devastadora e odiosa forma de tirania”.

Que o Senado, rompendo com dogmas e tabus, possa avançar na proteção do direito à morte digna, conferindo prevalência aos valores constitucionais da liberdade, da autonomia, do respeito e da laicidade, sob o triunfo da dignidade humana.

Flavia Piovesan é professora PUC-São Paulo e procuradora do Estado de São Paulo
Roberto Dias é professor de Direito Constitucional da PUC-São Paulo