sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

O que nossos filhos aprendem: Teoria da Evolução X Criacionismo

Matéria do Jornal O Estado de São Paulo de 08/12 analisou o fato de as escolas do Ensino Fundamental adotarem o Criacionismo em aulas de Ciências. As escolas católicas, batistas e adventistas do país estariam adotando como correntes científicas a Teoria Evolucionista e o papel de Darwin, mas também como possibilidade científica contraditória, o Criacionismo.

Não dá para ficar calado.



Opine

Que explicação você aceita e como orienta seus filhos sobre a criação do mundo?

Criacionismo
Teoria da Evolução



Notícia a posteriore:
A Folha de São Paulo de 13/12/08 divulgou matéria sobre a tomada de posição do Ministério da Educação no debate relativo ao ensino do criacionismo nas escolas do país. Segundo o MEC, o criacionismo pode ser discutido em aulas de religião como visão teológica, mas nunca nas aulas de ciências.

Não dá para ficar calado.

5 comentários:

Andre Bressan disse...

William,

Realmente, não dá prá ficar calado...

Ambas são teorias. Uma mais aceita, mas também cheia de falhas.

O Evolucionismo tem alguma razão, no tocante à adaptabilidade, mas peca em princípios como entropia (tudo tende ao caos, portanto à simplificação), principalmente quando tenta se chegar às origens.

O evolucionismo peca ao ignorar a nítida adaptabilidade ao meio, mas também não o nega.

Vc e eu sabemos que muito em medicina não se explica totalmente, e muitas vezes se nega de tempos em tempos...

Ambas se complementariam. Vale lembrar que o monoteísmo em que se baseiam o cristianismo, o judaísmo e o islamismo, que cobrem boa parte senão a maioria do globo terrestre, cuja base de pensamento inclui um Deus criador, criativo e capaz de conduzir um processo criativo. Se não tiverem esta liberdade, a ciência passa a ser uma ditadura, uma religião fanática e fascista tão grave quanto fundamentalistas típicos.

Eu também não posso ficar calado.

Um abraço.

O Marcos disse...

Gostaria que o Dr Lauro Monteiro tivesse a coragem de me responder um dia. Rsss. Tentei muito.

Andre Bressan disse...

Lauro (desculpe-me, te chamei de william da ultima vez... :),

Vou deixar meu comentário mais claro:

É claro que o criacionismo, busca evidências a partir de uma premissa religiosa (o que cientificamente poderia ser chamada de teórica). Da mesma forma, oarwinismo. Mas o próprio darwinismo se baseia na premissa teórica das relações com o meio e sua adaptabilidade pela seleção natural.

Não sou cientista puro, mas a ciência não é sólida e inquestionável... e convenhamos, é envolta de certa religiosidade (ritos, dogmas, 'santos', e assim por diante).

Que não seja visto o Criacionismo com ciêncioa, pela falta do concenso, ok, mas que não seja banido como forma de discussão. Até mesmo porque o darwinismo não é unânime, nem entre cientistas ateus.

Um abraço.
Andre.

Andre Bressan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Físico disse...

Só esclarecendo uma questão físca:

A entropia local (de um sistema) pode diminuir desde que a entropia geral (do universo) aumente. Sistemas locais podem se tornar mais organizados sem problema(para a física, sistemas complexos têm outro sentido).


*A entropia é uma função dos microestados acessíveis de um sistema. Na tentativa de tornar o termo mais inteligível, criou-se uma confusão de conceitos, esbarrando até no conceito matemático de caos. Culpa de alguns físicos...

Comentário à parte, o cientista pode até ser cercado de dogmatismos, mas o trabalho cientifico não deve e não é quase nunca. Cansei de ver trabalhos rejeitados e teses jogadas no limbo porque seus autores defenderam seus argumentos seguindo premissas não testáveis. Teoria não é afirmação de qualquer coisa. É criada a partir de hipóteses que seguem certos parâmetros, sendo o mais comum e importante, o da falseabilidade. Os parâmetros das ciências e os parâmetros das religiões não sãos os mesmos. Desde Galileo que não são.