terça-feira, 29 de março de 2011

Tenho medo de tudo que vira moda

É o caso do bullying. As situações de constrangimento, humilhação continuada e exclusão de alguns nas escolas, são bem conhecidas pelos professores. Desde a pesquisa com quase 5 mil alunos em 11 escolas públicas e privadas no município do Rio feita pela ABRAPIA em 2002, que evidenciou que os alunos sofriam e praticavam violências de todas as formas, de maneira continuada nas escolas com a mesma prevalência das escolas inglesas ou americanas, o bullying passou a ser visto. Sim, porque ele existia, não tinha nome, nada se fazia, não se fazia qualquer prevenção. Crianças excluídas, de forma perversa cresciam sofrendo em silêncio, não escutadas na escola e tampouco em casa.A divulgação tornou bem visível uma situação antiga. Isso tudo é muito bom. Eu pessoalmente e provavelmente muitos outros, dou entrevistas diárias. São muitos os convites e grande o interesse. No entanto estou sentindo falta da participação em todas essas ações dos professores e das escolas. Afinal o bullying escolar ocorre na escola e lá deve ser prevenido, antes de tudo, e com a participação de pais e alunos. Está havendo denúncias de bullying para muitos setores que por desconhecimento procuram colocar sobre a questão o foco apenas dos direitos humanos e atuar já em nível de Polícia e Justiça. Não. O bulying é sim uma questão de direitos humanos e tem que ser antes de tudo prevenido e enfocado pela escola , pelas e alunos. Aquela escola que não previne o bullying não deve se prestigiada. Mas todas as escolas, públicas e privadas tem que reconhecer que o bullying é inadmissível e que a continuidade das ofensas pode fazer seres humanos muito infelizes, às vezes para toda a vida. Temos que tomar cuidado com a banalização dessas situações, mas deixando claro que o reconhecimento do bullying é recente no Brasil e portanto deve merecer destaque.Mas aqueles que mais deveriam estar falando sobre bullying não estão: pais e escolas e obviamente os alunos, sejam eles alvos do bullying, praticantes ou testemunhas silenciosas. E finalmente, lembrando: o bullying é uma violência que não deve ser resolvida pela violência. Não dá para ficar calado.

2 comentários:

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

òtimo post. Todos os professsores deveriam falar, explicar e não deixar o Bullying se infiltrar nas escolas.
A parceria depende de pais, alunos e professores. Bjs

Anônimo disse...

Sou do Rio de Janeiro e gostaria de adotar independente do sexo ou cor interessadas entre em contato eu e meu esposo somos evangelicos temos muito amor e carinho para oferecer!!!
fabyservafiel@hotmail.com